logo

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Surpresas

Colaboração de Agnes Gabriella Milley
Gostava  das surpresas. Surpresas simples,  com aparência de bobas. Minha mãe costumava brincar de surpresas. Fazer surpresa para os filhos. Ela surpreendia a todos nós,  diariamente. De repente abríamos os cadernos  e encontrávamos recados, bilhetes e, às vezes, verdadeiros torpedos, escritos por minha mãe. Num cantinho do caderno, em folhinhas pequeninas dentro dos livros, em dobraduras dentro de nossos bolsos de calças ou camisas, nas bolsas escolares e também nas gavetas de roupas.  Até em minhas cuecas encontrei papeletas com um “Cuide-se”. Dentro de sapatos e tênis, era comum descobrirmos bilhetinhos do tipo “Que pé macio e cheiroso! Lembre-se do talco, querido.” Nos bolsos das camisas: “Comigo vai ficar mais bonito.” Quando púnhamos as mãos nos bolsos das calças, lá estavam os papeizinhos, dobradinhos, cheios de palavras de elogio, afeto, carinho e lembranças para lavar as mãos e limpar as unhas. Ou simplesmente a marca de beijo da boca de minha mãe impressa no papel com o batom. E ainda pétalas de rosas sequinhas.

Mas, das surpresas, a de que eu mais gostava era a das misturas no arroz. Minha mãe herdara de minha avó essa mania de fazer o arroz misturado. Arroz com cenouras. Arroz com espinafre. Arroz com bananas. Arroz com miúdos de galinha. Arroz com mexidinho de ovos. Arroz com pétalas de rosas. Arroz com torresmo de porco. Arroz com milho. Arroz com pedacinhos fritos de aipim. Cada dia uma surpresa no arroz. Eu ia para a mesa na expectativa do arroz. Era sempre uma boa surpresa. Até quando era o arroz com beterraba. O arroz misturado era sedutor. Abria o apetite. E como era bom o baião de dois, o  maria-isabel, o carreteiro, o com passas ao vinho e tantos outros.

Outro dia eu fiz um arroz com pedacinhos de abacaxi. Uma delícia o arroz misturado, principalmente se for surpresa. Outra boa surpresa é abrir a carteira e encontrar uma folhinha colorida com um poema de letrinhas bem redondinhas. Surpresa, surpresa mesmo é o frequente bilhetinho com o “Amo você” no fundo das meias.

 LEMBRANÇAS AMOROSAS 
Francisco Gregório Filho
Coleção  Jovens Inteligentes – Global Editora    São Paulo 2000 

2 comentários:

Patricia Carol disse...

Lindo achado essa estória, Agnes.
Com esses pequenos gestos de apreciação e estímulo, passamos mais segurança para os filhos, nessa fase em que precisam tanto de apoio e carinho pra se desenvolverem como adultos que se preocupam com os outros, que se importam em que os outros estejam bem.
Abração procê, querida amiga!
Patricia

Mª Teresa disse...

Adorei, Agnes, você sempre surpreende também, no melhor sentido. Bom para os filhos, para o marido, para a mulher e amigos, cada um no seu jeito. Vou pôr em prática, obrigada, bj

Postar um comentário

Postar um comentário