logo

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Profissão: Ao mestre com carinho

Lembrei-me do filme antigo, sobre um tema sempre atual e dei nome à postagem de hoje. Vamos continuar com a nossa preocupação sobre a escolha dos filhos da futura profissão. Coloco a colaboração da amiga Anna Ribeiro, sobre uma profissão tão necessária e tão pouco valorizada: O Magistério.

“Desempenhei o magistério público municipal, durante 25anos, e não me sinto financeiramente recompensada, por tantos anos de dedicação. No Brasil, infelizmente, não há recompensa digna a este profissional. Geralmente, o mestre deve ter vários empregos para que possa obter um melhor salário, o que é profundamente estressante
.
Para o desempenho desta função, são requisitos básicos, bons conhecimentos científicos, históricos e culturais a capacidade de ensinar e passar, através de sua conduta, valores tais como: respeito, honestidade e responsabilidade, que resultarão na formação de cidadãos úteis a sociedade, e a si próprios.

Cabe à família a orientação profissional, no sentido de mostrar ao filho, a realidade: colocação no mercado de trabalho e remuneração que possa proporcionar uma vida digna. Note-se que este aconselhamento não deve representar uma imposição ou, como é comum acontecer, uma “realização” dos pais, procurando que o filho aja de acordo com as aspirações paternas, o que poderá torná-lo coagido ou castrado.

Tenho um filho professor, que mantém um bom padrão de vida, porque é bastante competente e leciona num dos melhores colégios do Rio de Janeiro, mas esta não é a realidade de todo mestre!”

É importante que o jovem tome conhecimento da “vida após a faculdade”, para que tome sua decisão com bases firmes.

2 comentários:

Stella Halley disse...

Profissionais das 3 funções específicas do estado tiveram os salários aviltados nas últimas décadas. Médicos, policiais e professores acumulam empregos e vivem estressados. Mesmo tendo vocação, nem todos conseguirão postos bem remunerados, porque são raríssimos.

Liana Clara disse...

Com certeza Stella. É uma situação muito difícil e que deixa os nossos profissionais, muitas vezes, sem condições para prosseguirem em suas posições.

Postar um comentário