logo

domingo, 26 de julho de 2009

Robert McNamara - Sob a névoa da guerra



O Brasil certamente não se destaca pelo nível cultural de sua população: "Ratinho","Faustão","Big Brother Brasil" e outros programas de Televisão são um retrato do apreço que temos pela cultura.

Para fazer com que os filhos ganhem gosto pela cultura é preciso que os pais se esforcem por suprir suas lacunas pessoais neste campo.

Toda esta introdução para falar do espetacular documentário: Sob a névoa da guerra (2003), sobre as lições que Robert McNamara aprendeu em sua vida a serviço dos EUA. Oscar de melhor documentário.

McNamara (9 e Junho de 1916 – 6 de Julho de 2009) foi um dos homens mais poderosos do mundo: secretário de defesa dos governos JFK e Lindon Johnson, enfrentou a crise dos misseis em Cuba, a guerra do Vietnã em sua fase branda e em sua fase dura.

Foi, posteriormente, presidente do Banco Mundial. Antes de trabalhar no governo dos EUA havia sido o primeiro presidente da Ford de fora da familia Ford, e o criador do conceito de segurança em carros, como o cinto de segurança.

McNamara faz uma reflexão honesta em forma de exame de consciência. É impressionante a franqueza com que fala do que havia no seu interior nas decisões erradas e acertadas que tomou.

Ao ser convidado por Kennedy para assumir a secretaria de defesa dos EUA há o seguinte diálogo famoso:

- Senhor presidente, não creio que estou preparado para este cargo.

- Robert, lembre-se que também não há uma escola para presidentes.


Robert S. McNamara morreu no passado dia 6/7/2009. Seu depoimento é cativante, talvez não atraia os interesses de filhos com menos de 14 ou 15 anos, mas eu diria que é obrigatório para os pais!

5 comentários:

R. B. Canônico disse...

Convém lembrar que McNamara, quando foi presidente do Banco Mundial, fez frte pressão a favor de métodos de controle de natalidade, inclusive nos lamentáveis casos na Índia sob Indira Ghandi. Esse homem fez muito mal, e por isso mesmo este vídeo é essencial.

Abraços.

Selma S disse...

Prezado RB

Estou de acordo com sua primeira frase.

Não estou de acordo com a segunda, pois carrega muito as tintas. Ele fez mal? Eu acho que sim. Mas é Deus quem deve julgar isto. Esta calibração do discurso é importante.

R. B. Canônico disse...

Não disse que ele se condenou, pode muito bem ter se arrependido e emendado... só Deus conhece o ínitmo das consciências.

Mas que ele foi um estimulador de algumas barbaridades em termos de natalidade, é fato. Há inclusive um interessante artigo de Aceprensa, recente, tratando da nefasta história do movimento pelo controle de natalidade - que surgiu de idéias eugenistas - e que teve na figura de McNamara um impulso importante.

Selma S disse...

Você teria um link deste artigo? Eu sou muito interessada pelo McNamara

obrigada

Liana Clara disse...

Olá Selma acabei de encontrar o artigo sobre o McNamara:
http://www.aceprensa.com/articulos/print/1999/jul/28/el-credo-del-control-de-la-poblaci-n/

E mais este outro:
http://www.aceprensa.com/articulos/print/1995/feb/08/la-fabricaci-n-de-estad-sticas-para-causas-nobles/

Espero que seja o que gostaria. Abraços Liana

Postar um comentário

Postar um comentário