logo

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

10 Dicas de Planejamento Financeiro Familiar

“Dinheiro não é problema, dinheiro é solução!”

Quem nunca ouviu essa frase? Porém, dependendo do contexto, dinheiro pode ser um grande problema sim! Tudo depende da forma como se administra as finanças.

Para tudo na vida é necessário planejar. Em artigos anteriores já falei um pouco sobre planejamento, mas hoje vou abordar especificamente o planejamento financeiro familiar, e não farei isto sozinha.
Nesta série de artigos sobre finanças, conto com a colaboração do meu marido, que sendo economista muito tem a acrescentar sobre o assunto.

A construção de uma vida a dois requer muito diálogo e desprendimento. Neste processo, os planos e aspirações de vida são compartilhados. Com o casamento passamos a dividir o mesmo teto, a mesma comida,... tudo. Nada mais lógico que as finanças também sejam tratadas de forma única.

Administrar um lar não é tarefa fácil e nunca será. Contas a pagar, compromisso a serem cumpridos. Tudo precisa ser controlado para que as obrigações cotidianas não se transformem em pesadelo e num monstro incontrolável chamado endividamento compulsivo.

Já pudemos presenciar, ao longo da nossa vida profissional, inúmeros casos onde a vida financeira das famílias encontra-se num nível extremamente preocupante, única e exclusivamente por ausência de planejamento.

Não é difícil encontrar famílias que não têm a menor noção do quanto gastam, do quanto necessitam para viver e do quanto devem!

Vamos elencar 10 princípios essenciais para um planejamento financeiro familiar:

1- Conheça suas necessidades
Elenque quais as necessidades básicas para manutenção da casa. Dentre as principais despesas, toda casa tem contas fixas (luz, água, condomínio, telefone/tv a cabo/internet, gás...) e contas variáveis (supermercado, gasolina,...)

2- Pesquise as opções no mercado para atender suas necessidades
É importante pesquisar todas as opções disponíveis no mercado, seus custos, seus produtos substitutos, custo x benefício.
Exemplificando, os alimentos em geral podem ter uma enorme variação dependendo do local onde você realiza suas compras. O dia da semana também pode influenciar no valor de frutas e verduras. Por isso, a pesquisa é tão importante e indispensável para realizar uma boa economia.

3- Tenha ciência das suas receitas e das suas despesas
Principalmente se sua renda for variável ou de diversas fontes, é preciso ter ciência do valor disponível para o mês.
Considere também que, apesar das contas serem variáveis, elas podem ser estimadas.
Saber quanto se ganha e quanto se gasta é fator essencial para o início do planejamento e acompanhamento financeiro.

4-Anote todos os gastos e pagamentos realizados
Não importa se a compra ou o gasto é grande ou insignificante, ao final do mês a soma das despesas significará uma parcela importante do valor desembolsado. Seja um picolé, um chiclete ou uma garrafinha de água. Anote tudo o que for gasto ou pago.

5- Repense sobre os supérfluos
Após analisar as necessidades básicas de um lar, torna-se fácil identificar quais itens que sempre estiveram presentes no dia a dia da família, mas que na realidade não possuem a importância que julgamos ter no momento da compra.

6- Resista às compras por impulso
Antes de cair em tentação de sair comprando aquela calça que está numa super liquidação, tenham sempre em mente três perguntas clássicas: Eu preciso? Eu posso? Precisa ser agora?

7- Tenha ao menos uma meta
Para que o planejamento não seja abandonado no primeiro mês, é preciso que exista ao menos uma meta a ser alcançada pela família. Pagar uma dívida? Adquirir um bem? Realizar uma viagem? Poupar? Não importa qual, mas é necessário estabelecer tempo e valores.

8- Siga o planejado
Sempre almejando a meta, não desista. Siga o planejado. Em pouco tempo vocês poderão verificar os benefícios de possuir controle sobre o que se tem.
    
9- Valorize as pequenas conquistas
Se as dívidas estão diminuindo, ou houve a possibilidade de economia mesmo que mínima, toda conquista é motivo para comemorar.

10- Não desista
Mesmo que vocês escorreguem no planejamento, não desistam! Todo mês é uma nova oportunidade de recomeçar e seguir em frente. Lembrem-se: foco na meta!

No próximo artigo detalharemos de forma prática como iniciar um planejamento.

Manuela Freitas e José Freitas - economista, bancário, músico, gaúcho

Um comentário:

Raquel Suppi disse...

Muito útil e válido esse tema! Maridão e eu estaremos acompanhando! :D

Postar um comentário