logo

quinta-feira, 28 de abril de 2011

O que é mais importante: o vestido, o noivo ou a festa?

Depois de ir a milhares de casamentos de amigos e parentes, posso afirmar com certeza que já vi de tudo nessa matéria. Um sortimento sem fim de idéias, dentro de um mesmo tema: casamento.
Atualmente é comum vermos tantos pares levando anos para se decidirem a casar, que isso nos leva a pensar onde está, de fato, o tesouro de cada um.

Chamo de tesouro o bem maior que cada um almeja para si e para o ser amado, o amor verdadeiro e a vontade de doar-se ao outro.

Hoje se marca um casamento com dois anos de antecedência, para que seja na igreja mais badalada do momento, reserva-se um bufê de primeira, que consome meses de pagamentos a prestação, juntamente com a casa de festas e todo o cerimonial que vem no pacote. E quanto ao vestido de noiva, nem se fala! Só o aluguel, sem comprar, já é uma fortuna, porque precisa ser daquele estilista famoso ou daquela loja conhecidíssima, pra arrasar no dia.

Com todos esses itens, o dinheiro fica curto, e sobra pouco para que se curtam de verdade na lua de mel. Ou acabam deixando esta para outra ocasião, perdendo, assim, o que de melhor poderiam ter num início de vida a dois, ou vão viajar ficando mais endividados ainda.

E já ia esquecendo: o dia de princesa da noiva. Outro item surreal, onde a noiva passa o dia nos preparativos sem fim para sua entrada triunfal na igreja à noite. Isso acontece normalmente num hotel, onde há cabeleireiro, maquiador, hidratação, etc., tanto para a noiva como para as madrinhas que quiserem acompanhá-la nessa maratona de beleza. Um bom filão de ouro este comércio, inventado para tirar mais dinheiro ainda deste casal que irá iniciar sua vida em comum. Ou deixando os pais da noiva numa corda bamba para equilibrar tantos gastos. Há quem diga que é super prático para a mãe, sogra noiva e madrinhas e que sai até mais barato, basta que se procure preços. De qualquer forma é sempre mais um item pra programar.

Já vi casos de casamentos tão programados assim serem desmanchados meses antes e terem que arcar com os prejuízos dessa imensa programação, e outros que, depois de uma festa grandiosa, não completam nem um ano juntos. É claro que existem muitos que dão certo, mesmo com todo esse aparato, mas o que quero dizer é que não precisa disso tudo pra formar uma nova família, feliz e bem constituída. E que isso tudo não pode ser empecilho para que a família comece logo a existir.

Para um casamento dar certo é preciso que se amem, que os dois estejam imbuídos dos mesmos ideais, e que, acima de tudo, cultivem diariamente este amor com o respeito mútuo. A cerimônia mais importante é o sim diante do sacerdote. O resto é apenas complemento.

Um comentário:

Stella Halley disse...

A única vantagem dessa industria luxuosa é dar emprego a tantos. Mas tira o foco do principal: o casal investir no crescimento nas virtudes necessárias à boa convivência.

Postar um comentário