logo

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Profissão: Jornalista

Mais uma profissão para a orientação dos pais sobre as escolhas de seus filhos

Texto de Márcia Ribeiro Oliveira

www.mraro.com.br


O bom jornalista é uma pessoa muito curiosa, desconfiada, e, principalmente, indignada. Tem "faro" para notícia, bom texto, gosta de gente e é capaz de traduzir o mundo em uma linguagem acessível aos seus leitores. Acima de tudo, é uma pessoa íntegra, munida de valores e com compromisso ético e social, tendo em vista o poder formador de opinião que a mídia assume na sociedade.


O dia a dia de u
m jornalista é, normalmente, muito agitado: uma luta constante contra o relógio para sempre levar ao leitor as notícias mais frescas, o mais rápido possível, e, de preferência, antes da concorrência. Além disso, o ofício do jornalista é bastante imprevisível, porque sua rotina é não ter rotina, e este é um dos grandes "baratos" da profissão.

Outro ponto positivo é a possibilidade de atuar em várias funções (como editor, redator, diagramador, por exemplo) e áreas (nas diversas editorias dos jornais da grande impre
nsa, revistas, rádios, emissoras e sites de notícias, nas assessorias de imprensa, editoras, empresas privadas e instituições públicas).

Entre os aspe
ctos negativos, pode-se destacar que, em geral, se ganha pouco, mesmo tendo que "ralar" muito (nas Redações, não há todo aquele glamour que vemos nos filmes de Hollywood!). Quem deseja seguir carreira deve ter disposição para trabalhar pesado e ainda atuar como freelancer no tempo livre, o que costuma ajudar a pagar as contas no final do mês.


Em resumo, pode-se dizer que, por toda a dedicação que a carreira exige, ser jornalista é mais do que uma opção profissional: é uma opção de vida. Para desempenhar o ofício, é imprescindível ter disponibilidade, "transpiração" e uma vontade sincera de servir a seus leitores com a verdade.


6 comentários:

Anônimo disse...

Olá Márcia muito boa a colocação, realista mas empolgante. O sacrifício para se entrar numa universidade é compensado pela vontade de se transmitir verdades. Pena que não vemos muito isso no dia a dia da mídia. Um abraço e boa sorte na sua carreira. Florinda Alves

Ursula disse...

Fiquei sabendo que jornalista não precisa de diploma pra exercer a profissão, é verdade?

Márcia Oliveira disse...

Oi Ursula! Desde junho de 2009 o diploma não é mais obrigatório para o exercício da profissão de jornalista no Brasil. No entanto, na prática, a decisão não tem muito efeito, pois o mercado de trabalho continua exigindo o curso universitário para os profissionais que atuam área. Dê uma olhadinha em: http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/06/17/materia.2009-06-17.6939656552
Abraços!

--
Márcia
Site: http://www.mraro.com.br
Blogs: http://gatomiabr.blogspot.com

Renan Almeida disse...

Prezada,

Gostaria de saber se o jornalista tem algum treinamento para cobrir temas específicos como saúde, arte, economia?

Márcia Oliveira disse...

Normalmente as pessoas que trabalham nessas áreas têm alguma afinidade com o assunto e/ou conhecimento prévio.No caso da editoria de economia, por exemplo,é comum haver jornalistas que também são economistas ou que fizeram algum curso de especialização na área.No entanto, há também jornalistas de outras áreas que são remanejados dentro do jornal(pelos mais variados motivos) e que precisam aprender sobre o assunto no dia a dia.

Stella Halley disse...

Wiliiam Waack é um de meus entrevistadores favoritos. E essa entrevista com a Márcia está excelente.

Postar um comentário