logo

sábado, 27 de setembro de 2014

Cansei do marido, e agora?

Poderia ser o inverso também, o que em nada modifica o problema. Cada um que se cansa do outro, dentro do casamento, deve procurar ver com imparcialidade os prós e os contras, para depois então buscar soluções e reconciliações.

É normal acontecer isso no casamento, após uns anos, quando o casal já esta confiante um do outro e naturalmente não se esforça mais na conquista diária, com os mesmos cuidados pessoais de antes. Ademais, um ponto importante neste desgaste é a falta de diálogo e de interesses em comum – e aqui não falo das contas a pagar mútuas, nem dos filhos deste casal - marido e mulher necessitam estar em sintonia - ou sinergia, como queiram chamar os mais complexos estudiosos do assunto - para que esse amor que os uniu, a ponto de levá-los ao altar, continue em todo seu esplendor.

Existem momentos em que os desentendimentos por problemas do dia a dia criam um desgaste maior e nos levam a pensar em jogar tudo para o alto; aí podemos nos lembrar de um ditado popular: “ruim com ele, pior sem ele” – é a hora de se fazer a lista de qualidades do outro. Aquela listinha onde vamos escrever o que essa pessoa tem de bom, e que nos faz amá-la.

Ao lado dessa lista de qualidades do outro, podemos escrever as coisas que nos desagradam nele, e numa outra coluna as coisas que nós fazemos que também desagradem a ele. Depois seria bom, num momento de calma, a dois, sentar e conversar, sem brigas, ou melhor, tentar não brigar, pois sempre é difícil ouvir as coisas que fazemos de errado. Além disso, precisamos estar preparadas para também ouvir uma série de coisas ruins a nosso respeito. Lembrem-se de que o outro foi pego de surpresa e não terá ruminado tanto tempo e digerido os problemas como nós o fizemos.

A palavra de ordem é Desarmar – tirar as mágoas, as irritações, os sofrimentos, e levar toda a questão a um nível de busca de entendimento e de reacender a chama deste amor.

Outro dia, observando as brasas na lareira, num dia bem frio, tudo parecia já apagado e eis que de repente aparece uma chama forte, mostrando que ainda havia fogo e calor. Assim também pode estar o nosso amor, parecendo brasas pequenas ou até mesmo cinzas, mas com uma boa mexida, tudo pode voltar ao calor próprio do amor que sempre existiu.

Coisas como o desleixo pessoal, a falta de se por bem para o outro; as atividades sempre distintas, sem um participar dos interesses do outro, a falta de um papo amigável, das saídas a dois, tudo porque as necessidades no trabalho tomam muito tempo e nosso vigor, tudo isso afasta o casal.

Vamos, dentro do casamento, buscar mais interesses em comum, participar da partida de futebol do marido e ele participar das idas ao cinema para assistir uma boa comédia romântica.  Fazer planos! Nada melhor para unir um casal do que planos para o futuro: filhos, viagens, casa própria. Caminhadas, a busca por estar sempre se renovando, com o cuidado pessoal, dentro dos seus limites humanos: barba feita, roupas limpas e bem cuidadas; a higiene pessoal conta muito, em qualquer lugar, ainda mais dentro de casa, com os familiares. Sair a dois, pelo menos uma vez a cada quinze dias, para jogar conversa fora, rir, um para o outro, olhar nos olhos, beijar, namorar.

Nada de jogar fora o cônjuge! Basta procurar dar uma reciclada que o carinho volta, e a atenção de um para com o outro vai melhorar e muito.

Lúcia Helena Marques  - mãe e esposa, ama política e futebol!

Um comentário:

Jaqueline Melo disse...

Q lindo texto! O relacionamento entre o casal é o único na vida de que depende somente da dedicação dos cônjuges! Nós não temos laços sangüíneos q nos unem e por isso, esse relacionamento deve estar acima de qq outro, prioridade absoluta! Mas não raramente, na rotina e nas obrigações do dia a dia, essa relação acaba por não ter a dedicação merecida e a atenção necessária e aí surgem as rusgas, os problemas e a inquietação pela falta de diálogo, de companheirismo e de amizade... Mas Deus não permite q estejamos sós nesses momentos, é Ele quem nos sustenta e não deixa q "chutemos os baldes" ainda q tenhamos essa vontade! Ele nos dá a força para permanecermos nesse caminho de unidade juntos! Pois na aliança do sacramento do matrimônio nós nos comprometemos eternamente com a felicidade do outro!

Postar um comentário