logo

terça-feira, 21 de abril de 2015

Quando todos adoecem em casa

Existem ocasiões em que uma virose pega em um dos filhos, e em seguida, vão caindo um a um com os mesmos sintomas. Essa é a hora em que quase enlouquecemos principalmente se são mais de três filhos.

Não existe receita para evitar a contaminação. Aqui em casa já fizemos de tudo. Quando o primeiro adoecia, separávamos copo, prato, talheres, toalhas, higienizávamos a casa com Vaporeto,  fervíamos as louças do doente, e logo em seguida começavam a adoecer cada um dos outros. Raramente passávamos por viroses sem que todos não tivessem quase ao mesmo tempo.

Nossa casa é grande, bem arejada, mas com tudo isso não conseguíamos vencer esse obstáculo , os irmãos sempre eram solidários nesta hora.

É muito importante não perder a calma e tentar armar um esquema prático para essas ocasiões. Tanto para darmos conta de todos os cuidados, como para sairmos sãos no final.

Em ocasião de "epidemia" doméstica podemos simplificar o cardápio para um prato único e de sustância. Principalmente quando a doença provoca vômitos e diarreia.  Temos que focar no prático, para darmos conta das crianças e da casa.

Um sopao com torradinhas, sucos, água de coco; a coca cola pode ser usada como remédio, hidrata e limpa o estômago, de preferência bem gelada e tirando um pouco do gás. As naturalistas me perdoem, mas sempre funcionou muito bem com as minhas crianças doentes.  Outra coisa boa de se ter em casa nessas ocasiões é biscoito de polvilho. Eu não sei a razão científica, mas ele ajuda a manter algo no estômago de quem está vomitando. Lógico que não deixando de fazer uso dos remédios para o mal estar. E mais uma ultima dica é comprar jujuba. Além de ser uma balinha que toda criança gosta ela também ajuda ao doente a manter o açúcar no organismo.  Gelatina também é muito bom, mas cuidado com as vermelhas, porque caso venham a vomitar, poderão confundir os mais distraídos , pensando ser sangue quando é apenas uma gelatina de morango. 

Com o ingresso dos filhos na escola, no seu primeiro ano, é natural também que contraiam muitas doenças, até aquelas próprias da infância, como catapora, caxumba, rubéola, por está razão é importante estar com todas as vacinas em dia.  Na escola o contato é muito maior, pois serão muito mais crianças concentradas numa mesma sala. Tosse, espirram no mesmo ambiente fechado, colocam a boca na biquinha do bebedouro, trocam merendas entre si, tomam um golinho do suco do colega, tudo é novidade.

Aos poucos vamos repetindo nossa lista de "não pode" para eles, que acabam aprendendo muitas regras de higiene que os ajudarão a evitar muitos contágios.

Depois de um certo tempo as crianças ganham resistência e começam a pegar menos viroses, ou a passar por elas sem muita violência, e a paz no lar fica mais constante.

3 comentários:

Stella Daudt disse...

Hoje em dia, ao primeiro espirro ou garganta arranhando, saio distribuindo própolis para a família toda. Costuma funcionar. O dr. Paulo Cesar pediatra também costuma recomendar coca-cola para as crianças que gostam e precisam se hidratar. Tua receita é ótima! ;-)

Liana Clara disse...

Olá Stella
Estou com esse médico!! ahhahahah Coca cola resolve muitos males.
Beijos

Pat disse...

Como "medicamento" a Coca tirando um pouco do gás e bem fresquinha, uns 2 dedos de copo já traz alívio imediato. Palavra de mãe há quase 43 anos! O Pediatra dos meus filhos sempre seguia esses "conselhos" só usando remédios mais fortes pra incômodos estomacais, após "receitar" o milagroso refri!

Postar um comentário