logo

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Da Galinha Pintadinha à Jurubeba

Por Verônica Lunguinho *

Numa era de galinha pintadinha virtual, meu filho teve oportunidade de conviver com uma galinha real! Não, não moramos na roça (o que seria uma boa opção, se eu tivesse oportunidade). Mas conhecemos pessoas que têm hábitos interioranos ao presentear as outras.

Dia desses, minha mãe ganhou uma galinha de presente. Viva! A bicha já chegou com as pernas amarradas, só esperando o abate. Minha mãe gosta muito de galinha cozida, mas não tem quem a faça matar. Por isso, ela sempre pede a uma vizinha que abata a galinha.

Sim, isso de ganhar uma galinha viva já aconteceu outras vezes. Mas sem um detalhe: Miguel ainda não estava no cenário.

Para quem ainda não conhece, Miguel é meu filho de um ano e três meses, do qual ando contando as histórias por aqui. Aquele que sumiu com o prato! (texto do prato clique aqui).

Pois bem. Quando a galinha chegou, ficou aquela enrolação de quem vai matar, que horas, se vai comer hoje ou amanhã... Passado um dia, minha mãe já começa a chamar a galinha de... Jurubeba!
"Ihhh, colocou apelido carinhoso! Já vi que vamos ter de conviver com a galinha!", eu disse. Não demorou pra que minha mãe arrumasse um cantinho no quintal para a Jurubeba.

Miguel sentia uma espécie de medo e euforia em relação à galinha. Era como se ele quisesse pegar nela, mas tinha receio e caía na risada! Ele chegava perto, mas não queria tocar. Queria ver a galinha, mas só ia acompanhado.

Na casa da minha mãe tem também um gato: Liro. Dele, Miguel não tem um pingo de medo. Pelo contrário, Liro tem medo de Miguel. É comum que a gente fale: "Sai daí, Liro! Miguel vai te pegar! Eu vou chamar o Miguel!". E Miguel logo aparece correndo atrás do gato e dizendo "Pá pá pá pá pá!".

É tão divertida essa convivência das crianças com os animais domésticos. Mas pra mim, isso tem um valor especial, pois sempre fui medrosa com animais. E agora tenho a oportunidade de conter meus medos para educar meu filho sem eles!

Voltando à Jurubeba, há uns dias ela foi para a panela. Mas antes disso, Miguel se despediu! Ficamos surpresas, eu e minha mãe, com a reação dele. Quer saber como foi? Clique no vídeo abaixo.



*Verônica Lunguinho -  é jornalista, casada, mãe do Miguel e mora em Brasília. É católica, gosta de comer e vive dando uma de quituteira nas horas vagas.

4 comentários:

Evelyn Mayer de Almeida disse...

Que fofura!

Pat disse...

Agora quem vai ter coragem de dizer que a Jurubeba foi viajar pra visitar os parentes?
Lembrar de nunca oferecer suco de JURUBEBA(acho que existe essa frutinha no nordeste...)! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Ô gente... Que coisa mais fofaa!!!

Jaqueline Melo disse...

É incrível como a convivência com animais é maravilhosa para as crianças! Confesso q fiquei com dó da Jurubeba!

Postar um comentário