logo

sábado, 11 de junho de 2011

Sala de estar ou de fugir?

Por Maria Teresa Serman

Nossa casa deve ser o melhor lugar para a família estar, se reunir, conversar, comer e rir. Deve ser um refúgio, para chorar ou descansar, também. E o lugar de reunião da família, além da sala de jantar, é a de estar. Os falantes de língua inglesa a chamam apropriadamente de "living-room", o lugar para se viver. Por tudo isso, o modo como a decoramos, e nisso se inclui a sala de refeições por simbiose, deve refletir o efeito que desejamos extrair das cores, dos objetos, de sua disposição.

Ao escolher a cor predominante, precisamos prever o sentimento, explícito ou implícito, que criará: cores quentes, como vermelho e laranja aquecem, e dão a impressão de que o espaço é menor. Já as frias, como azul e verde, sugerem mais espaço e luminosidade. Mas, como o nome já diz, podem arrefecer o clima psicológico também. Muito branco e bege traz sensação de paz e acalma, mas o excesso é monótono.

Para surpreender e variar, pode-se empregar cores claras nas paredes, pintando uma em cor contrastante, ou cobrindo com papel de parede. Para dar mais profundidade, aproveite espelhos com molduras discretas, colocando-os estrategicamente. Cuidado para não refletirem a TV ou o que não deva ser refletido. Evite o acúmulo de móveis, pois uma sala acolhedora não se parece em nada com uma loja de decoração.

Falando nela, a televisão, não é bom que fique na sala, a não ser que se tenha o domínio sobre ela, e nunca se ligue durante as refeições. Comer na frente da TV rouba o melhor tempo da família. Porém, é possível extrair dela um filme com pipoca, um musical com queijos e vinhos, e até projeção de fotos familiares. São experiências legais, podem acreditar!

Se contratar um arquiteto ou decorador, ouça seus conselhos, mas não se deixe inibir por conhecimentos técnicos. Preferências pessoais devem ser levadas em conta, e um bom profissional reconhece e aproveita isso. Os toques pessoais em objetos como vasos, castiçais, estatuetas, almofadas e abajures fazem a diferença em cor e estilo. Mas, de novo, sem exagerar, não é um bazar. E depois de completa a arrumação, não fique histérica, dona de casa, não permitindo que ninguém sente, relaxe, respire. Providencie capas de sofás para o cotidiano, bem feitas e que combinem com a decoração. Sua mesa de centro pode ser uma excelente base para os lanchinhos em família, os filmes em conjunto, um bate papo com amigos. Não é uma perfeita finalidade?

2 comentários:

Stella Halley disse...

Devia ter providenciado capas para os sofás. Os gatos e o sol não perdoam!

Maria Teresa disse...

Oi, Stella.
Eu sei bem disso, pois tb tenho os dois, uma dormindo em cima deles e o outro entrando inclemente pela janela. Se vc quiser, tenho um ótimo artesão de capas. Fale com a Liana e que ela te passa o contato. Abç, Maria Teresa

Postar um comentário