logo

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Filho único (III) : A Alimentação

 Por Evelyn Mayer*

 Olá, mamães!

No segundo artigo sobre como educar o filho único, conversamos sobre a importância de dar responsabilidades aos pequenos. Neste artigo, falaremos sobre a alimentação.

Às vezes eu fico me perguntando se sou a única mãe sobre a face da terra que passa pelo terrorismo chamado Hora da Refeição! O meu consolo é saber que não. 

Quando meu filho era neném, comia de tudo. Qualquer papinha que era oferecida, comia. Era uma beleza! Mas quando fez três anos, mudou radicalmente. Não queria comer nada. Parecia até que vivia de “fotossíntese”...

Eu me sentia a pior das mães! E, para piorar, em muitas vezes em que desabafava com amigos e parentes, estes na ânsia por ajudar, acabam até me deprimindo mais. “Ah, meu filho não era assim!” “Minha menina comia de tudo, nunca me deu problema!” e outros “sonetos” como esses circundam nossos tímpanos, não é mesmo? Mas existe solução, sim!

Fui estudar um pouco mais sobre o assunto e descobri que as crianças são mega seletivas em relação à alimentação até os sete anos de idade. É que nesta fase elas estão experimentando, testando os diversos gostos e sabores. Então é natural que aos dois anos elas comam pepino e aos três, detestem. É a fase da experimentação. Também é normal que eles fiquem um tempo apenas bebendo e não queiram comer nada. Não se sinta mal, mamãe! Seu filho vai pedir comida quando sentir fome. Se só quer beber, deixe-o beber! 

Uma coisa que notei ainda durante a amamentação é que a criança tem seu horário pra comer (a gente também é assim, né?). Respeite esse horário. Meu menino, por exemplo, é muito parecido comigo: não toma café da manhã. Já tentei de tudo, mas não tem jeito. Ele só toma o leite com chocolate (e eu, um copo de chá quente). Só vamos sentir fome lá pelas dez da manhã. Não o force a comer se ele é assim também. Não quer dizer que não vá oferecer nada (todos os dias ofereço pão, mas raramente aceita), só não torne este momento chato pro baixinho.

Também descobri com o tempo que é bacana deixá-lo participar da cozinha. Desde novinho crio o meu menino em meios às panelas. E esse negócio faz com que eles gostem do cheiro da comida, o que acaba aguçando o apetite. Deixa ele ver como é gostoso cozinhar, como é legal manusear os alimentos. Ele vai adorar. E vai comer! (Yes!).

Outra coisa que está dando certo lá em casa é negociar a comida. Às vezes ele quer comer algo completamente diferente do que eu fiz. Não dá pra negociar isso. Tem que comer o que está à mesa. Então ele resolve partir pro drama: argumenta, chora, faz birra... Até que se convence que vai ter que comer, porque não baixei a guarda. Porém, negocio a quantidade de colheradas quando noto que ele realmente está sem apetite, ou, ainda quando comeu pouco e quer deixar de fazê-lo por conta de algum desenho ou brinquedo novo. Ele já até sabe: “Vou dar cinco colheradas beeeem grandes!”. Dá as cinco, e depois mais uma, e quando vê, comeu tudo.

Por fim, estou compreendendo a importância de respeitar os gostos do meu pequeno. Ele detesta milho. Não me pergunte o porquê. Então não ponho milho no pratinho dele. Mas já fiz sopa de milho batida no liquidificador e ele comeu tudinho (sem saber que era, é claro). Tem que respeitar o gosto, mas não é por isso que não vai oferecer. Sopa é um “veículo” ótimo para colocarmos tudo o que eles não gostam. E comem! Porque a gente cozinha tão bem cozidinho, e o alimento some na panela, mistura-se à carne e ao macarrão, que eles nem notam, comem e ficam bem nutridos. Vale a pena arriscar.

Estou aprendendo que a gente precisa pensar em algo que torne este momento menos estressante possível. Lá em casa, por enquanto, isso está funcionando.

E na sua? Como você faz pro seu neném comer direitinho? Partilha aí!

Até a próxima! Beijão!

*Evelyn Mayer é católica, consagrada à Virgem Maria, casada, mãe, professora de Língua Portuguesa e palestrante de recursos humanos em indústrias.

7 comentários:

Raquel Suppi disse...

Muito bom, Evelyn!!!! Amo as suas partilhas!!!

MFreitas disse...

Adorei, Evelyn!

Evelyn Mayer de Almeida disse...

Mas vamos combinar que esta saga não é fácil, né, meninas?

Evelyn Mata disse...

Muito bom!

Mas comigo sopa não dá certo. Mariana vê e diz: 'éca, cocô!' kkkkkkkkkkk

Jaqueline Melo disse...

Otimas dicas! Outra coisa é nunca substituir! Eu errei muito nisso!

Maite Tosta disse...

Aqui a sopa também não dá certo... :(

Evelyn Mayer de Almeida disse...

Poxa, que pena, meninas! :(
Aqui em casa o Be ama sopa.

Jaque, vc está certa.

Postar um comentário