logo

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Arrumação para a escola – a saga!

Por Raquel Suppi

Nós temos três filhos, dois príncipes e uma princesinha. Por enquanto, somente os meninos vão à escola. Como estudam no turno da manhã, o nosso dia já começa bem animado e corrido!
Na realidade, os instantes que antecedem a saída para o colégio são marcados por muita preguiça e enrolação, por parte dos pequenos. Não importa o quanto tenham dormido a noite – e nós procuramos ser bastante diligentes com a hora de irem para a cama –, quando chega o momento de se arrumar para a aula, a sonolência impera!

O curioso – e ainda vou descobrir alguma razão cientificamente comprovada para isso – é que, nos finais de semana, férias e feriados, a moleza matinal é reduzida de forma considerável, bem mais do que gostaríamos! Despertam logo cedo, sem ninguém precisar chamar, e ficam ansiosos para a primeira atividade do dia.

Para ser franca, acordar não é a maior dificuldade. Raramente eles dão trabalho para isso. O problema é quando escutam: “É hora de se arrumar para a escola!”. Não sei bem o que acontece quando pronunciamos esta frase, mas por mais que já tenham perdido totalmente o sono, levantar e fazer qualquer movimento parece simplesmente a coisa mais difícil e torturante da face da terra, para eles. E aí começa a luta: contra a preguiça e contra o tempo!

Nesses momentos, dependendo do dia, da pressa, de como foi a noite e do humor (dos pais e dos filhos), meu marido e eu podemos reagir de três maneiras diferentes. A primeira: com paciência e criatividade, tentando convencer os filhos a se levantarem numa boa, através de brincadeirinhas, mesmo sabendo que isso pode levar mais tempo (mas, pelo menos ninguém começa o dia se estressando). A segunda: agimos de forma mais dura e menos tolerante, sabendo que a resposta deles será mais rápida, mas que provavelmente vai ter muita cara feia e talvez algumas brigas, também (e ninguém quer começar o dia assim). A terceira: ficamos no meio termo, com umas gracinhas aqui e umas broncas acolá.

Deu para perceber o nível da animação? Pois é! Fazia tempo que eu vinha pensando em uma maneira de tornar as nossas manhãs mais ágeis e menos corridas. Queria encontrar uma forma de conseguir motivar as crianças a corresponderem e colaborarem mais rapidamente. Então, numa bela tarde, enquanto mexia na agenda do celular, tive um “estalo”! Estava justamente checando os meus compromissos do dia, quando tive a ideia de incluir, no mesmo aplicativo, as atividades das crianças, como forma de alertá-las. Explico melhor.

Fiz uma espécie de passo a passo, desde a hora de acordar até sair de casa, para a escola. Dividi as atividades em 6 etapas, cada uma com aviso sonoro e tendo espaço de 10min entre elas. Tipo, às 6h10min toca para levantar e tomar leite; às 6h20min, para ir ao banheiro, lavar-se e escovar os dentes; às 6h30min, tirar o pijama, vestir o uniforme e se calçar... E assim vai, até arrumar a cama e aguardar a hora de sair.

Na noite daquele dia, antes de dormirem, conversei com eles sobre a programação e o aplicativo, explicando como seria, ao acordarem. Fiz parecer um jogo, e eles encararam exatamente assim, especialmente o primogênito, de 7 anos. Eu sabia que se conseguisse a atenção do mais velho, o do meio, de 4 anos, seguiria os passos do irmão. Não deu outra! A manhã seguinte virou uma disputa animada e saudável contra o “bipes” do celular. Queriam estar sempre adiantados, concluindo uma tarefa e passando para a próxima antes do alarme tocar. Ficaram prontos com antecedência e, o melhor, sem estresse! 

Eu até pensava que essa ideia, simples e acessível, acabaria nos ajudando de alguma forma, mas confesso que não imaginava que seria tanto assim, tampouco que a criançada iria aderir tão fácil e rapidamente. A tal agenda do celular, que já me auxiliava bastante, fez e continua fazendo sucesso com os filhos. E espero que continue bombando por muito tempo. 

2 comentários:

Patricia Carol disse...

SENSACIONAL a "sacação" com a agenda para animarem os mais preguiçozinhos!Parabéns" Intuição de mãe podia ser "comercializada" e ficar TRILHONÁRIA, como ouvimos todos os dias nas notícias, rs rs rs

Abraço da sua admiradora,PatVó!!!(finalmente,após o níver de 100 anos da minha mãezinha, nasceu minha netinha no Canadá!)

Raquel Suppi disse...

Obrigada, Patrícia, pelo carinho e atenção de sempre!
Adorei a parte de ficar trilhonária! Rsrsrsrs Mas, pensando bem, essas pequenas vitórias diárias são na verdade tão grandes para uma mãe, que valem mais que milhões, bilhões, trilhões! Rsrsrsrs. Então, acredito que posso dizer que já sou trilhonária, ou mais que isso! :)

E parabéns pelo centenário da mãe e pelo nascimento da netinha! Que alegria! Quantas bênçãos! Que elas continuem caindo em abundância sobre a sua família! Bênçãos especiais sobre a sua "vóternidade" Hehehehe!

Forte abraço!!!

Postar um comentário