logo

sábado, 8 de novembro de 2014

O bebê e a papinha

Quando chega a hora de introduzir a alimentação, seja a sopinha ou a papinha de frutas, é sempre uma expectativa grande, se o bebê vai aceitar ou não. O momento é de mudanças radicais para a sensibilidade gustativa do bebê, ele, que até então só mamava no peito, vai experimentar sabores novos, temperaturas diferentes, e é normal que resista um pouco.

Tive nove filhos, e posso afirmar que com cada um a transição na alimentação foi tranquila, todos reagiram bem e passaram a se alimentar de forma mista, sem problemas. A confiança no que estamos fazendo conta muito. 

Quando o médico autorizava a introdução de um alimento, eu não questionava e a introduzia no horário, aquele alimento, confiante de que era o momento certo. Fazia a sopa, exatamente como o sugerido pelo pediatra, colocava meu bom senso para funcionar, colocava o bebê sentadinho, com babador na frente e um brinquedinho nas mãos, e, lá ia eu introduzindo a primeira colherada na boquinha, sem estardalhaços, sem fazer daquilo um acontecimento. Mesmo que houvesse uma resistência inicial, eu ia insistindo; a cada dia aumentavam o número de colheradas ingeridas, até que todo o pratinho passasse a ser comido. Como prêmio, no final, dava um pouquinho de sobremesa, para criar o hábito de se alimentar bem a mesa.


A sopinha, inicialmente, não pode ter sabor muito forte que destoe do costumeiro leite materno, então um pedaço de músculo, cozido com uma batatinha e uma cenoura, já darão um sabor mais neutro e melhor recebido pelo bebê. A abóbora vermelha também costuma ser bem aceita pelo seu sabor adocicado. Com o passar dos dias, e o hábito de uma refeição diferente instalada, aí então vamos variando mais os legumes e observando o que o nosso bebê saboreia com mais alegria.

É importante colocarmos temperos variados na sopa da criança,  tudo condizente com sua faixa etária. Nada de colocar pimentas ou pimentão, mas sim uma salsapicadinha, cebolinha, cebola e até mesmo o alho socado, um pedacinho, darão sabor ao alimento e vai aguçar o paladar. Sem nos esquecermos de pôr um fio de azeite extra virgem na hora de servir, no prato.

Nossos filhos sentem a nossa segurança e confiam em nós, portanto nada de questionamentos e dúvidas. Colocar amor e carinho no alimento confeccionado e servir à criança tendo um belo sorriso no rosto, é o caminho para estabelecer bem a alimentação.

3 comentários:

Maria Regiane disse...

Que bebê bonitinho. Está com quantos meses agora?

Liana Clara disse...

Cara Maria Regiane
Esse Bebê está com 14 anos agora! Nasceu com 1,290 Kg e com 39cm. Hoje está uma linda moça.
Visite sempre o nosso blog. Temos assuntos novos todos os dias.

Jaqueline Melo disse...

Me lembrei do quão difícil foi com a minha primogênita a introdução da alimentação após a fase da amamentação exclusiva, e do quão mais fácil foi a mesma fase com a minha caçula. É impressionante como cada indivíduo tem a percepção do paladar diferenciado!

Postar um comentário