logo

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Construindo uma família? Boa sorte!

Era costume se comemorar, na Roma antiga, o  Festival da Boa Sorte, quando era homenageada “Fortuna”, a deusa da sorte e da prosperidade. lembrei-me disso por ouvir as pessoas desejando sorte umas as outras, como se isso fosse o diferencial para resolver as coisas na vida. Usam a sorte como se fosse uma fada madrinha que bastasse pensar ou desejá-la e tudo se resolveria num passe de mágica.

Para se constituir uma boa família o que menos precisamos é de sorte. Precisamos sim é investir numa boa escolha do marido ou da mulher. Podemos selecionar a pessoa com quem queremos passar o nosso resto da vida. A paixão pode surgir de repente, mas o amor precisa ser cultivado, com o aprofundamento do conhecimento mútuo, dos interesses em comum, com a perspectiva de que precisaremos ceder muitas vezes em favor do outro e estarmos dispostos a isso.

Em primeiro lugar devemos estar certos de que temos a vocação para o matrimônio, para esse amor unitivo e procriativo que o casamento exige. A partir daí definir pontos que serão importantes no cônjuge que iremos desposar. Usar um olhar mais atento na hora em que conhecemos alguém novo, um possível marido ou uma possível esposa. Investir neste conhecimento.

Existem muitas garotas que passam anos procurando seu “príncipe encantado ideal” . São tantos os requintes dos seus devaneios que acabam perdidas, fora da realidade de encontrar sua outra metade da laranja. Conheço uma jovem que repara até no perfume do rapaz, e faz disso logo um impedimento para deixar de conhecê-lo melhor, e perde uma oportunidade de avaliar pontos realmente importantes do caráter, da personalidade, que de fato possa ser um entrave, ou um amor a segunda vista.

Vamos ser realistas, deixar as superficialidades de lado, e buscar o amor em alguém que seja o complemento de nós. Investir nosso tempo nessa escolha para o todo sempre, e para que seja a felicidade de ambos.

Uma família constituída com bases sólidas não precisará de sorte, pois mesmo nas dificuldades, nos apertos, estarão unidos por esse amor construído em bases sólidas.

Um comentário:

Jaqueline Melo disse...

"Que a família comece e termine sabendo onde vai..." Bases sólidas! Solidez, é disso que as famílias precisam! Ótimo texto!

Postar um comentário