logo

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

O retorno – nas curvas da estrada

Família numerosa tem sempre muitas histórias para contar, e mesmo as coisas ruins, com o tempo viram histórias engraçadas e que divertem a todos, com suas lembranças.

Esses dias lembramo-nos de uma viagem a São Lourenço, com alguns dos nossos filhos menores. No retorno para a casa, logo após o almoço, viemos, o marido e eu nos bancos da frente e os quatro menores no banco traseiro, sendo que a caçula estava no colo do único filho homem presente. 

Curvas pra lá e curvas pra cá, e eles quatro atrás só reclamando e falando de enjoo. Mas, como a estrada além de sinuosa é sem acostamento, não via como parar o carro e resolver a situação. Até que em um determinado momento, não foi mais necessário eu decidir, tudo foi resolvido: a menor vomitou, e muito, exatamente sobre o irmão e os tapetes do carro. As outras duas se salvaram como puderam e de olhos fechados para não vomitar também. Neste momento cheguei ao topo da serra, onde havia uma parada, com biquinhas de água mineral, à vontade de todos.

Foi uma parada emergencial, para limpeza tanto das crianças, como do carro, para podermos seguir viagem. E, para minha surpresa o filho nem estava aborrecido e estava colaborando de boa vontade com todos. E, com uma canequinha que tínhamos no carro, ele conseguiu ir limpando tanto o carro quanto a si mesmo, enquanto isso eu trocava a pequenina e o pai arrumava, num barzinho próximo, uma Coca Cola para alegrar a garotada e tirar o enjoo das outras duas meninas.

Todos esses acontecimentos, em uma viagem, podem acontecer, mas o que não podemos é perder a calma e o bom humor e deixar que esses detalhes transformem uma viagem de lazer num aborrecimento só. No final, o que ficou na lembrança de todos foi o jeito safo que o menino deu na situação e o heroísmo dele se segurando para não vomitar também, assim como as biquinhas de água mineral que foram a salvação e a nossa liberdade para um mundo sem cheiros ruins.


4 comentários:

Evelyn Mayer de Almeida disse...

Kkkkkkkkkk q tensããão!

Isso me fez lembrar uma vez que estive num ônibus e uma mulher começou a vomitar. Parecia que ela tinha um princípio de AVC. Acudi, tive sangue frio, mas vomitei horrores depois que tudo passou... Kkkkk

Bjos!

Jaqueline Melo disse...

Eu seeeeeempre vomitava horrores! Meu irmão sofreu comigo! Meu marido idem, nossa filha é igualzinha a nós!

Liana Clara disse...

Aqui em casa tivemos muitos casos de vômitos nas viagens. E não havia remédio que desse jeito. Esse foi apenas um dos casos, rsrsrsrs
Não se tem viagem sem emoção.

Raquel Suppi disse...

Mto bom mesmo recordar!!!! :)

Postar um comentário